terça-feira, 30 de junho de 2009

Entrega do manifesto 2

Os alunos: Nathaniel Ferraz da Silva, Daiane Laete de Oliveira, Jessika Vieira dos Santos, Thiago Veloso Batista, Gustavo Pietracatelli Janizello (representando os alunos da escola); a senhora Regiane Pietracatelli Janizello ( mãe do Consellho da Escola e representando a comunidade); a professora Marly Navas ( representando a equipe escolar) estiveram no Jornal A Folha de Vila Prudente, sendo recebidos pelo Sr Newton Zadra, para entrega do manifesto em prol da preservação da área verde localizada no terreno da antiga fábrica das Linhas Corrente.
Com muito carinho fomos recebidos pela equipe jornalística, que priorizou a fala dos alunos, fazendo questão de ouvir destes, como foi desenvolvido o projeto, inclusive as sugestões que estes encontrariam para este espaço.
Com muita maturidade conversaram com o Sr Zadra, mostrando plena consciência da importância da preservação das árvores e o destino deste espaço.
O presidente da Folha comprometeu-se em entregar no dia 30 de julho este manifesto, para os diretores do Grupo Zaffari e após esta data, fazer uma visita à nossa escola.
Agradecemos a todos que nos receberam pela acolhida e pela oportunidade de estrega deste documento.
video

sábado, 27 de junho de 2009

Somos notícia (mais uma vez)


Saiu no Jornal Paulistano, na edição de 26 a 2 de julho.
Estes alunos estão de parabéns e estamos orgulhosos de vocês.
Parabenizamos também ao Prof. Rubens por ser o orientador desta turma, incentivando seus alunos, e fazendo a diferença!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Entrega do manifesto Linhas Corrente (saiu no jornal)


Será nesta segunda -feira, dia 29, a entrega do manifesto feito pelos alunos, pedindo a preservação das árvores deste terreno.
Uma comissão formada por alunos, professores e pais, será recebida pelo presidente da Folha de Vila Prudente, Sr Newton Zadra.
Agradecemos a repórter Sra Katia Leite, por ter nos auxiliado nesta conquista.

domingo, 21 de junho de 2009

Parabéns !!!!!

Grande galera esta semana conquistamos o Título de Vice-campeã de Xadrez por equipes do Munípio de São Paulo.
Nossa escola teve como campeã a categoria Sub 16 Masculino e na 3ª colocação tivemos 4 categorias:Sub 10 Masc, Sub 10 Fem, Sub 12 Fem e Sub 16 Fem.
Agradecimentos a toda a Direção da Escola, Pais e alunos.

video

sábado, 20 de junho de 2009

Linhas Corrente 9


Nesta semana toda escola esteve envolvida na preparação de um manifesto, todos os alunos escreveram, desenharam, transmitindo a preocupação que cada um sente com relação ao destino do terreno da Antiga Linhas Corrente.

Além disso, os alunos das 7ªs e 8ªs colheram assinaturas de seus familiares, vizinhos e dos moradores da região, envolvendo toda a comunidade para que se unam, nesta batalha em favor do meio ambiente.

Este material será entregue na próxima semana, por uma comissão da escola, para o Jornal Folha de Vila Prudente.

Sempre atentos, em anexo, a reportagem que saiu no dia 19 de junho no JVP.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Linhas Corrente 8


Saiu dia 12 de junho, no Jornal Folha de Vila Prudente, nova reportagem a respeito da nossa Linhas Corrente. O Grupo Zaffari vai atender o Jornal para discutir o projeto das Linhas.
Nós do Cleómenes estamos fazendo um convite a toda comunidade!
Vamos colocar no papel nossas idéias, nossas preocupações com o destino deste espaço, com as árvores que serão derrubadas.
Vamos fazer um abaixo assinado para que seja entregue ao Sr Jodimar Zaffari, para que ele perceba a importância das Linhas para nossa região!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Campanha Solidária


A EMEF Cleómenes Campos pelo 3º ano consecutivo está participando da Campanha Solidária do 35º Grupo Escoteiro Corrente SP, que visa arrecadar: roupas, agasalhos, calçados e alimentos para entidades assistenciais da região.
A escola tem se destacado, como uma das principais parceiras nesta campanha, comprovando mais uma vez, uma atitude cidadã, por parte dos nossos alunos, professores, funcionários e comunidade, não medindo esforços, quando a meta é ajudar os necessitados.

Leiam o conto escrito pelo aluno Victor Cano da 8ª A

O telefonema pegou-a de surpresa. Atendeu com impaciência os olhos presos ao livro que tinha nas mãos, uma história policial que não conseguia parar de ler.
Era bom estar sozinha lendo um livro de suspense numa noite de ventania. O sábado já estava quase no fim, e ela ali, presa aquelas páginas. O som do telefone era uma intromissão, um estorvo. atendeu a contragosto:
- Alô... Quando uma voz desconhecida surge, carregada meio roca, a atormentava. Mas... quem será esse sujeitinho atrevido com noticias nada animadoras? Era um homem que se dizia sequestrador e que estava de posse de sua filha caçula, uma linda e inocente menininha de apenas cinco anos; mal havia saído das fraldas e já em uma situação nada confortável. A mulher que estava lá, no meio de um problema de perseguição policial se vê em um problema real, a tranquilidade explícita vem a tona, a fortaleza que parecia instransponível, desaba E o homem prosseguia: - Duzentos mil reais ou... Pode esquecer seu anjinho. E era isso, um anjinho loiro e de claros e cristalinos olhos, na posse de um brutamontes. A mulher em desespero estava sem reação. Ouviu o desligar do telefone, e se pôs a chorar: - Mas por que isso, onde esse mundo foi parar; minha filhinha! Ao amanhecer, a desolada mãe, foi em busca de compradores, disposta a vender seus bens, um simples e ralé apartamento e um uno modelo 96. E o desespero batia quando deparava com a questão do dinheiro não ser suficiente.
E o pior o depravado era impaciente, no dia seguinte mandou uma carta, com uma mecha de cabelo da menina, e um aviso que dizia: “Eu não estou brincando quero o dinheiro todo, amanhã, apareça sozinha na esquina da Rua Bartolomeu com a Lupi Cotrin,há,há,há...às 3:00 horas.
Então a mulher teve uma idéia, iria procurar a polícia, o delegado, abismado com a situação sugeriu que fosse com ela e levasse uma mala com papel.
No outro dia, naquela madrugada, os dois se encontraram, a polícia muito bem escondida, com atiradores prontos para dar o “bote”.
Quando o tira percebeu uma falha do bandido, apertou o gatilho. Buuuuummm!
Um grande estouro surge no ar. Quando se vê o bandido e a pobre garotinha derramando sangue e indo de encontro com o chão seco, imundo e o choro repentino da pobre e desolada mãe que a dois dias atrás estava presenciando um conflito policial na ficção e se via agora frente à uma violência real.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Conto escrito pelas alunas Ana Caroline e Letícia da 8ªC

“Não é por me gabar, mas eu sempre tive motivos de sobra para me considerar um ídolo das meninas do meu colégio [...]. Sou alto, loiro, forte e super cobra no vôlei e no basquete. Isso me tornava um cara paqueradíssimo, que podia namorar ora uma ora outra. Fidelidade eu só demonstrava pela motocicleta que ganhara de meu pai (apesar dos protestos da minha mãe). Era uma CB 400 transadíssima, e em volta dela normalmente se formava uma rodinha de garotas a espera de carona, no final das aulas.”
Tudo ia perfeitamente bem, os refletores sobre mim como sempre foi. Mas quando eu pensava que tudo ia bem houve um impasse.
Como estava acostumado levantei pelas seis da manhã e me preparei para mais um dia. Arrumei-me, tomei meu café da manhã, peguei minhas coisas e fui para o colégio com minha CB400, imaginando qual delas seria a felizarda de hoje.
Estacionei no meu local e avistei o grupo de meus amigos em uma conversa.
Tirei a chave da ignação e me aproximei da turma.
- E aí pessoal? Qual é a de hoje? Cumprimentei meus subordinados.
Todos me fitaram e contaram a novidade do dia. A nova garota que tinha chegado.
- Definam a nova garota – Pedi para o grupo.
Eles a descreveram perfeitamente, com todos os detalhes. Loira, cabelos compridos e ondulados. O tipo Barbie. Certamente um bom divertimento para essa noite.
-Oi Jesus - disse uma garota de rosto familiar cujo nome não lembrava agora.
A sineta tocou anunciando minha primeira aula.
-Bom, já vou indo – disse enquanto me retirava para a sala.
Estava virando o corredor quando trombei em alguém derrubando seus livros.
- Mas que... – Comecei a dizer enquanto levantava os cadernos.
Naquele momento meus olhos foram furtados por um par de olhos penetrantes. Uma garota cuja perfeição fora roubada de uma obra angelical estava parada em minha frente. O aroma de seu perfume me arrebatou em um feitiço de sedução. Um riso saiu de seus lábios como som de sinos.
-Prazer, meu nome é Melissa – disse uma voz aveludada.
Ergui suas mãos pequenas até meus lábios e naquele momento não pude mais recuar. As borboletas já estavam presas em meu estômago.

De vez em quando tem uma visita ilustre! Te amamos Marly! Alunos do Projeto Aluno Monitor 2017