quarta-feira, 3 de junho de 2009

Conto escrito pelas alunas Ana Caroline e Letícia da 8ªC

“Não é por me gabar, mas eu sempre tive motivos de sobra para me considerar um ídolo das meninas do meu colégio [...]. Sou alto, loiro, forte e super cobra no vôlei e no basquete. Isso me tornava um cara paqueradíssimo, que podia namorar ora uma ora outra. Fidelidade eu só demonstrava pela motocicleta que ganhara de meu pai (apesar dos protestos da minha mãe). Era uma CB 400 transadíssima, e em volta dela normalmente se formava uma rodinha de garotas a espera de carona, no final das aulas.”
Tudo ia perfeitamente bem, os refletores sobre mim como sempre foi. Mas quando eu pensava que tudo ia bem houve um impasse.
Como estava acostumado levantei pelas seis da manhã e me preparei para mais um dia. Arrumei-me, tomei meu café da manhã, peguei minhas coisas e fui para o colégio com minha CB400, imaginando qual delas seria a felizarda de hoje.
Estacionei no meu local e avistei o grupo de meus amigos em uma conversa.
Tirei a chave da ignação e me aproximei da turma.
- E aí pessoal? Qual é a de hoje? Cumprimentei meus subordinados.
Todos me fitaram e contaram a novidade do dia. A nova garota que tinha chegado.
- Definam a nova garota – Pedi para o grupo.
Eles a descreveram perfeitamente, com todos os detalhes. Loira, cabelos compridos e ondulados. O tipo Barbie. Certamente um bom divertimento para essa noite.
-Oi Jesus - disse uma garota de rosto familiar cujo nome não lembrava agora.
A sineta tocou anunciando minha primeira aula.
-Bom, já vou indo – disse enquanto me retirava para a sala.
Estava virando o corredor quando trombei em alguém derrubando seus livros.
- Mas que... – Comecei a dizer enquanto levantava os cadernos.
Naquele momento meus olhos foram furtados por um par de olhos penetrantes. Uma garota cuja perfeição fora roubada de uma obra angelical estava parada em minha frente. O aroma de seu perfume me arrebatou em um feitiço de sedução. Um riso saiu de seus lábios como som de sinos.
-Prazer, meu nome é Melissa – disse uma voz aveludada.
Ergui suas mãos pequenas até meus lábios e naquele momento não pude mais recuar. As borboletas já estavam presas em meu estômago.

2 comentários:

  1. Meninas vocês são excelentes alunas e demostram muita maturidade em suas palavras.
    Parbéns.

    ResponderExcluir
  2. Meninas adorei a história,continue assim amei Beijos.....''

    ResponderExcluir